quarta-feira, 26 de abril de 2017

Risotto de Camarão super fácil!

Risotto, aquele prato de arroz que quando não percebemos nada disto achamos que é super complicado. 😱Claro, que falo com conhecimento de causa. Eu própria durante algum tempo achava que este prato de arroz com um nome finório era dificílimo.

No meu singelo conhecimento, o risotto é um arroz cremoso que ao contrário do arroz normal é cozinhado ao adicionarmos um caldo aos poucos e mexendo sempre. O caldo que usamos vai ser determinante no sabor do risotto. Fácil não?
Por aqui adoramos, um belo risotto. É tão reconfortante e quentinho. 😍 Além disso é dos poucos pratos Italianos que o Sarinho adora. Mas para ele sem parmesão. 

Esta receita é mesmo muito fácil e é feita com poucos ingredientes. É um prato óptimo para os dias que estamos com mais pressa mas mesmo assim queremos comer alguma coisa mais composta. O truque para que o risotto cozinhe mais rápido e uniforme é fazê-lo numa frigideira em vez de num tacho. Desde que comecei a fazê-lo assim que todo o processo é muito mais rápido.

Sei que a receita parece meio extensa mas quando o assunto é risotto eu fico entusiasmada. Não se deixem intimidar. Porque depois de lerem tudooo vão ver que é garantido sair bem. 😁

Está na hora! Para a mesa! Um beijinho, até breve e bons cozinhados! 😚
Risotto de Gambas Fácil

O que faz falta para 2: 
Chávena=250 ml

10 Camarões com casca e cabeça
1 Delícia de Lagosta (ou delícias do mar)
1/2 Cenoura pequena
1 ramo de Coentros
1 dente de Alho
1 Cebola
3 chávenas e meia de Água
1 fio de Azeite
1 chávena de Arroz para Risotto
1 colher (chá) de Manteiga 
Sal e Pimenta preta q.b.
1 colher rasa de (sopa) Queijo Parmesão ralado 
Como Fazemos:
Começamos por arranjar os camarões. Retiramos a casca e a cabeça. Reservamos as cascas. Retiramos a tripa dos camarões. Para isso basta fazermos um golpe ligeiro nas laterais dos mesmos e tirar os fios/tripas. 

De seguida, vamos fazer o caldo, numa panela colocamos a cenoura, metade da cebola, o alho esmagado com pele, os coentros e as cascas dos camarões assim como as cabeças. Regamos com 3 chávenas e meia de água Temperamos o caldo com um pouco de sal e pimenta. Levamos ao lume. Depois de ferver deixamos por 20 minutos. Coamos o caldo.

Picamos a restante cebola e refogamos numa frigideira larga com um fino fio de azeite. Por cima, colocamos o arroz e mexemos. Cozinhamos em lume médio/baixo. Agora vamos adicionar uma chávena de caldo de cada vez ao arroz. Ao juntarmos o caldo, mexemos sempre o arroz e quando secar voltamos a adicionar mais uma chávena até colocarmos 3 chávenas de caldo no total. Temperamos com um pouco de sal à medida que vamos cozinhando o arroz. Não esquecendo que o caldo já tem sal, a manteiga e o queijo parmesão também.

No momento em que juntamos a segunda chávena de caldo, juntamos também a delícia de lagosta aos cubos pequenos. E ao adicionarmos a última chávena adicionamos os camarões. Devemos mexer sempre o risotto. É muito importante para que fique bem cremoso. Quando o arroz tiver bem cozido e não totalmente seco, desligamos o lume, adicionamos a manteiga e metade da quantidade de parmesão. Envolvemos. Servimos de imediato temperado com um pouco de pimenta preta e polvilhado com o restante parmesão.

Considerações finais:
Esta é uma comida para comer na hora. Não fica tão maravilhoso aquecido. 
Fica ainda melhor se comido com uma colher.
Para uma receita com mais rendimento basta dobrar a receita.
Se por acaso o arroz não ficar totalmente cozinhado com a quantidade de caldo que especifiquei basta adicionar mais um pouco. Isso pode acontecer se cozinharmos o nosso risotto em lume muito alto. A água vai evaporar e o arroz não vai cozinhar como devia.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Sai uma dose de Cozido à Portuguesa!

Eu sei que ainda estamos a recuperar dos excessos da Páscoa mas nunca se diz que não a um Cozido à Portuguesa! Além disso o Cozido que fazemos cá em casa não é assim tão "gordinho".
Somos amantes assumidos de quase todos os pratos tradicionais portugueses. Eu confesso que sou amante de uma boa feijoada, de uma bela açorda ou de um colorido cozido. No entanto, gosto das versões um pouco mais leves destes pratos. 

Existem inúmeras receitas e formas de fazer diferentes para este prato. A que faço aprendi, claro, com a minha mãe. E como ela própria diz, não tem nada que saber. Na nossa opinião, o cozido fica mais saboroso se cozermos tudo junto na mesma panela. E por aí? Qual é o vosso truque?

Não é daquelas receitas que fazemos todos os dias mas seja Inverno ou Verão, de vez em quando sai um Cozido cá em casa.
Gosto de pensar que os pratos portugueses ainda são valorizados. Com o fácil acesso a receitas de todo o mundo por vezes os pratos do nosso cantinho à beira mar plantado ficam um pouco para trás. Não podemos deixar que isso aconteça!
Venham daí comer um prato comigo. Um beijinho. Bons cozinhados!
Cozido à Portuguesa

O que faz falta para 4 pessoas: 
4 Ossos Carregados
1 Tira de Entremeada
1/2 Chispe aos pedaços
1 Chouriço de Carne
1 Farinheira
1 Chouriço de Sangue
4 Cenouras
2 Batatas
2 Batatas Doces
1 Couve Coração pequena
1 Repolho pequeno
Sal q.b.
Como Fazemos:
No fundo de uma panela grande, colocamos os ossos carregados, a entremeada, o chispe e o chouriço de carne. Temperamos com um pouco de sal. Por cima, colocamos as cenouras, as batatas e as couves cortadas em quartos. Temperamos com mais um pouco de sal. Regamos com água até tapar todo o conteúdo da panela. Reservamos a farinheira e o chouriço de sangue. Levamos a lume brando durante 1 hora e 30 minutos. Vigiamos de vez em quando para ver se não secou. 
Passado o tempo, confirmamos se tudo está bem cozido e juntamos a farinheira para cozinhar por 10 minutos. 
Para evitar que o chouriço de sangue rompa e tinja o restante cozido de preto cozemos o mesmo à parte. Para isso, colocamos o chouriço de sangue a cozinhar em água. Assim que a água ferva contamos 5 minutos e retiramos o mesmo. 
Servimos o cozido numa travessa com os enchidos cortados em rodelas e a entremeada aos pedaços.
Podemos aproveitar a água do cozido para fazer a famosa sopa do cozido. Para isso basta acrescentar massa fina ou arroz e deixar ferver pelo tempo necessário para cozinhar a massa ou arroz. Servimos com uma folha de hortelã.


terça-feira, 11 de abril de 2017

Bolo de Alfarroba e Frutos Secos

Cá em casa somos fãs do famoso Bolo de Mel da Madeira. Há alguns anos, era eu miúda, que a minha mãe, sempre que íamos a um supermercado maior às compras nos comprava este bolinho. Nessa altura o acesso aos grandes supermercados não era tão fácil como hoje. Na minha terra, de momento estamos bem servidos de comércio. Há de tudo um pouco e o que não há fica por perto. Sorte a minha eu sei. Mas voltando atrás, comecei por contar esta história porque foi no Bolo de Mel da Madeira que me inspirei para criar esta receita. Nele e nesta receita da minha querida Petiscana que me seduziu desde o primeiro olhar. 

O objectivo era fazer um bolo escuro, com frutos secos e que fosse mais denso. E o objectivo foi cumprido. Depois de uma pesquisa descobri que a alfarroba é um alimento com muitos benefícios. É muito rica em fibra. Tem um sabor muito característico e interessante. Por aqui, adoramos o bolo. Ficou bem diferente do que normalmente fazemos para os lanches da semana ou sobremesas do fim-de-semana. Não o considero um bolo muito "gordinho" pela sua junção de ingredientes. Mas mesmo que fosse, valia a pena comer e pensar nas calorias mais tarde! 

Espero que gostem e que se juntem a mim para uma fatia deste bolinho! Beijinhos e Bons cozinhados!😚
Bolo de Alfarroba e Frutos Secos

O que faz falta:
3 Ovos
175 gramas de Açúcar amarelo
50 gramas de Azeite
50 gramas de Leite (usei de amêndoa)
2 colheres (sopa) de Mel
50 ml de Vinho do Porto
1 colher (chá) de Erva-Doce
100 gramas de Nozes picadas
100 gramas de Amêndoas picadas
100 gramas de Farinha de Alfarroba
50 gramas de Farinha de Trigo
2 colheres (chá) de Fermento em pó
Metades de Noz para decorar
Como fazemos:
Robot (yämmi 1)
Untamos e enfarinhamos uma forma de 20 cm. Reservamos. Pré-aquecemos o forno a 180ºC.
No copo do robot, colocamos os ovos, o açúcar amarelo, o azeite, o mel e o leite. Ligamos por  1 minuto, na velocidade 3. De seguida, juntamos o vinho do porto e a erva-doce. Programamos na velocidade 5 por 10 segundos.
Adicionamos as nozes, as amêndoas, a farinha de alfarroba e a farinha de trigo com o fermento. Misturamos tudo na velocidade 3 por 40 segundos.
Colocamos a massa na forma, espalhamos bem. Levamos ao forno por 30 minutos. A meio tempo retiramos para colocar as metades de noz. Levamos novamente ao forno.
Findo o tempo, retiramos do forno e desenformamos de forma a que a face com as nozes fique à superfície.
Tradicional
Untamos e enfarinhamos uma forma de 20 cm. Reservamos. Pré-aquecemos o forno a 180ºC.
Num recipiente, colocamos os ovos, o açúcar amarelo, o azeite, o mel e o leite. Batemos. De seguida, juntamos o vinho do porto e a erva-doce. Misturamos bem.
Adicionamos as nozes, as amêndoas, a farinha de alfarroba e a farinha de trigo com o fermento. Batemos até a massa fazer bolhinhas.
Colocamos a massa na forma, espalhamos bem. Levamos ao forno por 30 minutos. A meio tempo retiramos para colocar as metades de noz. Levamos novamente ao forno.
Findo o tempo, retiramos do forno e desenformamos de forma a que a face com as nozes fique à superfície.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Trufas de Cacau&Amêndoas...nem me acredito que é saudável!

Eu podia começar a dizer os imensos benefícios do cacau e das amêndoas para a saúde mas não vou fazê-lo. Acho que devo iniciar o post de hoje com o seguinte pensamento: "NEM ACREDITO QUE ISTO É SAUDÁVEL!" 😅

Pois é, meus amigos, hoje escrevo a receita de umas trufas, coisa que nunca tinha feito, jamais em tempo algum. E arrependo-me muito de não as ter feito antes! 
Não sei quanto a vocês, mas nesta onda mais saudável, aquilo que me é mais dificil são os lanches entre refeições. Seja porque por onde quer que passe só vejo coisas pecaminosas ou por falta de imaginação. E, tenho que ser sincera, estava farta de comer ovos cozidos ou maçã todos os dias por isso fui em busca de alternativas. 

Encontrei várias inspirações e estas trufas foram uma dessas inspirações. Têm um ar pecaminoso e mesmo assim são saudáveis. 😍
Elas são densas, cremosas e os pedacinhos de amêndoa conferem-lhes uma textura muito especial.
Digam lá se não parecem pequenos brigadeiros? Naqueles dias de desespero por um doce estas trufas vão fazer milagres. Acreditem! Experiência própria. 😄

Vamos comer uma trufa para nos redimirmos da torta de laranja de ontem? Um beijinho. Até breve e bons cozinhados! 😚

P.S. Achei que devia voltar para dizer o seguinte. Não comam as 14 trufas de seguida. Porque assim lá se vai o saudável. Eu sei que apetece mas...se quiserem comam! É convosco! Sejam felizes! 😇
Trufas de Cacau e Amêndoa Saudáveis

O que faz falta para 14:
250 gramas de Tâmaras sem caroço
100 gramas de Amêndoas inteiras 
1/3 de cup de Cacau em pó 
2 colheres (sopa) de Óleo de Coco derretido
2 colheres (sopa) de Sementes de Linhaça

Cacau em Pó e Coco ralado para decorar
Como Fazemos:
Num robot de cozinha, colocamos todos os ingredientes e trituramos (yämmi 1 - 25 segundos na velocidade 9) até que fique tudo bem ligado. A consistência deve ser pegajosa, com as tâmaras completamente desfeitas e com a amêndoa com uns pedaços pequenos.
Com as mãos humedecidas formamos bolinhas. Passamos as bolinhas pelo coco ralado ou pelo cacau em pó de forma a cobrir toda a superfície. Guardamos num recipiente fechado até 3 semanas. Para uma consistência mais firme conservamos no frigorífico. 

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Torta de Laranja...e um trauma ultrapassado!

Ai as tortas! Nunca foram o meu forte. Com cinco anos de "dona de casa independente" devo ter feito umas três ou quatro tortas se tanto. Gosto muito, acho-as lindas mas são tão delicadas e sensíveis que vão ficando um pouco de lado. 

Nas últimas semanas as tortas andavam a perseguir-me. 😱 Ligava a televisão via tortas, ia ao supermercado mais tortas, abri o livro base da yämmi e lá estava a torta de laranja de novo. Portanto entendi isto como um sinal e resolvi arriscar a fazer a torta de laranja do dito livro. 
Claro que um bocado a medo porque arrisco a dizer que não tocava numa torta há coisa de 3 anos. Pedi umas dicas à minha mãe e vamos lá.

Para começar bem não tinha o tabuleiro nas dimensões que a receita pedia. Confesso que pensei em desistir mas depois fui medir o tabuleiro do forno e só tinha mais 3 cm. O que podia correr mal só com esta diferença? 😂
Fiz a massa rapidamente, forrei a forma...tudo impecável até esse momento. Até que coloco a massa na forma e ela fica mal distribuída. Porquê???? Porque a forma estava empenada. Agora já não havia nada a fazer. Mas, com muita sorte quando a coloquei no suporte do forno a coisa resolveu-se.

A parte mais complexa para mim é a de enrolar. E eu neste dia estava com muita sorte pois correu muito bem. Comparativamente às minhas experiências anteriores, esta torta ficou perfeita. 😍
Atrevo-me a dizer que o meu trauma com tortas foi superado. Yeahhh!!!!
E por aí? Há alguma receita que vos corra menos bem? Um beijinho e até breve. 😚
Torta de Laranja

O que faz falta:
250 gramas de Açúcar
Casca de Meia Laranja (sem a parte branca)
Sumo de 1 Laranja
6 Ovos
40 gramas de Farinha
1 colher de chá de Fermento em Pó
Manteiga para untar, Açúcar para polvilhar e Papel Vegetal
Como Fazemos:
Robot de Cozinha (Yämmi 1)
Começamos por pré-aquecer o forno a 180ºC. Forramos uma forma rectangular  para tortas (28cm por 35cm aproximadamente) com papel vegetal. Untamos o papel com manteiga.
No copo, juntamos o açúcar e a casca de laranja. Ligamos na velocidade 9 por 20 segundos. Adicionamos os ovos, a farinha, o fermento e o sumo de laranja. Misturamos na velocidade 4 por 25 segundos.
Vertemos a massa na forma e levamos ao forno por 18 a 20 minutos. Desenformamos quente sobre uma folha de papel vegetal polvilhada com açúcar e enrolamos. Deixamos arrefecer um pouco e transferimos para um prato. Aparamos as pontas, se necessário, servimos fresca.

Tradicional 
Começamos por pré-aquecer o forno a 180ºC. Forramos uma forma rectangular  para tortas (28cm por 35cm aproximandamente) com papel vegetal. Untamos o papel com manteiga.
Raspamos a casca da laranja finamente. Misturamos ao açúcar. Juntamos os ovos, a farinha, o fermento e o sumo de laranja. Batemos um pouco até estar bem misturado.
Vertemos a massa na forma e levamos ao forno por 18 a 20 minutos. Desenformamos quente sobre uma folha de papel vegetal polvilhada com açúcar e enrolamos. Deixamos arrefecer um pouco e transferimos para um prato.
Aparamos as pontas, se necessário, servimos fresca.


quarta-feira, 29 de março de 2017

Bolo de Chocolate Saudável...é mesmo verdade! (em vídeo)

Pois é, a receita hoje é de um bolo de chocolate saudável. Será isso possível? É!!!! Não escondo de ninguém a minha forte paixão pelo chocolate.😏Mas a malta chega aos 30, tem que começar a ganhar juízo. Não é bem por isso mas também é uma razão plausível. A verdade é que sempre tive alguns problemas de pele a nível de acne e de descamações por isso é importante saber identificar aquilo que me faz bem e menos bem. Como tal e porque sou uma rapariga que gosta de experimentar coisas novas tenho optado por fazer uma ou outra substituição mais saudável para me ajudar a regularizar este aspecto da minha pele. 
Mas ficar sem bolo de chocolate? Nunca!!! Ora aqui está a solução. Um bolinho saudável, com ingredientes do bem e bastante energético até. Penso que pode ser um bom pré-treino (nota-se perfeitamente que eu treino arduamente). 😀 Já vou no segundo e não tenho razões de queixa dele. 
Fiquemos cientes que não é um bolo brigadeiro, daqueles que quase  nos fazem lamber o prato. Mas na "cena" mais saudável é um bolo bastante bom. Com uma textura quase tão densa como os brownies e com o crocante dos pedaços de chocolate negro.
Acho que fica ainda melhor com um bocadinho de iogurte grego e uns moranguinhos. Mas isto sou eu! A pessoa olha e pensa: "Grande bolo de chocolate com chantilly e morangos." 
Depois vamos comer, não nos faz borbulhas e ainda nos faz bem. Eu confesso que este bolo me apaixonou. Pelo facto de o poder comer ao pequeno almoço sem culpas e sem ficar com aquele efeito balão, no sítio que nós sabemos, o dia todo. É que é uma alegria logo ao acordar.
Bem vamos à receita, com vídeo e tudo para verem como é tão fácil que até chateia. Um beijinho grande. Bons cozinhados! 😚
Bolo de Chocolate Saudável

O que faz falta: 
(1 cup= 240 ml de capacidade)

1 e 1/2 Cup de Flocos de Aveia
3 Bananas maduras
1/2 cup de Mel
1 Ovo
1 colher (chá) de Baunilha
2 colheres (sopa) bem cheias de Manteiga de Amendoim
1/3 de cup de Cacau em pó
1 colher (chá) de Fermento em Pó
1 e 1/2 colheres (sopa) de Bicarbonato de Sódio
100 gr. de Chocolate negro a partir de 75% de Cacau

Como Fazemos:
O vídeo mostra detalhadamente a preparação de todo o bolo. Usei uma forma de 20 cm de diametro. Bons cozinhados!

quinta-feira, 23 de março de 2017

A saga do Doce de Ovos Caseiro...(vídeo)!

Doce de Ovos. Aquela coisa cremosa e amarelinha com um sabor inigualável. Diz-se por aí que foram as freiras que o inventaram mas eu só sei que foi uma verdadeira aventura aprender a fazê-lo. Não que seja dificil. Porque não é. Assim que se percebe o ponto da calda e o ponto em que deve ficar é canja. Até chegar aí fiz muitos testes que se comeram todos. Num bolo, em molotof, outra vez num bolo, à colher... 
Muitos testes ocorreram para chegar à consistência perfeita de doce de ovos. Todos ficaram incrivelmente gulosos mas queria chegar aquela cremosidade máxima. 

Porque não comprar doce de ovos feito? É bem mais fácil. Tudo começou com o bolo de noz húmido (receita aqui) que casava maravilhosamente com uma camadinha de doce de ovos. Visto que não me apetecia ir à rua e tinha muitos ovos resolvi partir à aventura. Deu certo mas podia ter deixado mais tempo ao lume para engrossar mais. E fiquei a matutar naquilo. Então voltei a fazer. E apliquei no meu primeiro molotof (essa história fica para depois). O dia do pai aproximou-se e eu ia repetir o bolo de noz porque o meu pai adorou. Foi nessa ocasião que a magia aconteceu. O doce ficou na consistência perfeita para mim. Claro que fiquei vaidosa, não posso mentir. Eu antes até tinha medo de fazer caramelo e agora estou a fazer doce de ovos. 

Depois das minhas experiência eu concluí que o segredo está na calda de açúcar mas ainda mais no tempo que deixamos o doce ao lume e na forma enérgica que o mexemos. Será que estou a dizer uma parvoíce? Isto é apenas a minha análise.
O doce de ovos é muito sensível, é importante acondicioná-lo bem e refrigerá-lo. 
Eu só sei que estou muito contente e não podia deixar de partilhar a minha experiência aqui. Todos nós sabemos que este doce é muito versátil e que pode ser aplicado em tudo e mais alguma coisa.

Um beijinho. Até breve e bons cozinhados.
Doce de Ovos

O que faz falta:

6 gemas
125 gramas de Açúcar
100 ml de Água

Como fazemos:

Começamos por medir e separar todos os ingredientes. De seguida, batemos as gemas e peneiramos as mesmas. Reservamos.
Levamos a lume brando a água e o açúcar. Não mexemos. Assim que ferva contamos entre 4 a 5 minutos ou até obtermos o ponto pérola (ver vídeo). Retiramos do lume e deixamos arrefecer um pouco. Quando a calda estiver morna misturamos a mesma nas gemas mexendo sempre. Levamos essa mistura novamente a lume brando e mexemos sempre até engrossar. Quando o creme começar a engrossar mexemos energicamente com uma vara de arames até que a mesma comece a pegar no fundo. Devemos ter cuidado para que não cozinhe demasiado. Desligamos o lume e continuamos a mexer. Transferimos para um recipiente frio. Tapamos com uma película aderente de forma a tocar na superfície do creme para este não criar capa. Levamos ao frio por 3 horas.  Depois de frio o creme fica mais firme e cremoso. Usamos a gosto.

terça-feira, 21 de março de 2017

Salsichas em Couve Lombarda...não há nome mais bonito para isto? (tradicional e robot)

Como se deve notar eu gosto muito de cozinhar. 😊Gosto de planear as refeições, comprar os ingredientes e fazer a receita. Gosto de o fazer com tempo e atenção, o que nos dias de hoje se torna complicado. Só que no meio dessa magia toda também existem dias em que não tenho imaginação nenhuma e não me apetece meter os pés na cozinha. Porque somos todos humanos. 😅 Nos dias mais difíceis vou à churrascaria aqui da terra, que é óptima e compro um belo frango assado no carvão. Nos dias assim assim meto o robot a trabalhar. 

Adoro fazer coisas novas mas também gosto muito de cozinhar comida tradicional. Por aqui somos muito fãs. Basta dizerem feijoada, cozido à portuguesa e por aí a fora, que eu já estou completamente convencida. Claro que se disserem sushi, comida italiana, fondue eu também não hesito. 😎

Tudo isto para dizer que esta comidinha de nome pouco glamoroso é prato que apreciamos muito. Não é aquele prato que aprendi com a minha mãe há imenso tempo. Não, não é. Os meus pais não são apreciadores de salsichas. Aliás a minha mãe tem um nome característico para tudo o que ela não consiga ver bem do que é feito. E esse nome é comida misteriosa. 😀
No entanto, quando me mudei comecei a fazer porque o Sarinho gosta muito. E eu passei também a gostar. É aquela coisa reconfortante sabem? Que aquece a alma e deixa a casa a cheirar a couves. 😆 Sabe tão bem!!!! 

Sempre fiz da forma tradicional mas desde que tenho o robot que o uso neste prato. Não faço a versão que vem no livro base do robot, já a experimentei e esta "enche-me mais as medidas." A salsicha e a couve cozem no vapor do molho de tomate o que eu acho que é super fixe e que fica super saboroso. A couve fica no ponto de cozedura certo e não perde a textura e a "salsicha misteriosa" cozinha no vapor o que é muitooo mais saudável. Óbvio que da forma tradicional também fica muito bom. Assim só dá um bocadinho menos de trabalho. 
No meu caso, gosto de um molho mais encorpado mas como se costuma dizer "amigo não empata amigo", basta adicionar água para chegar à consitência desejada. 😏
Fiz o melhor que pude para fotografar isto. Não é um prato fácil de ficar belo. Mas estava muito bom. Prometo!

Vamos lá atacar isto, antes que arrefeça. Um beijinho. Bons cozinhados e até breve. 😙
Salsichas em Couve Lombarda 

O que faz falta para 3:
10 Salsichas frescas de Aves
1 Couve Lombarda
1 Cebola 
2 dentes de Alho
1 Cenoura
1 fio de Azeite
1 folha de Louro
200 gr. de Tomate pelado
Sal e Pimenta branca
1 ramo de Salsa fresca
350 ml de Água (uso a de escaldar a couve)
Como Fazemos:
Robot (yämmi 1)
Num tacho largo, levamos água a ferver. Separamos a couve lombarda em folhas. Lavamos e aparamos um pouco do talo de cada folha. Escaldamos as folhas na água fervente por 5 minutos. Retiramos com cuidado. Enrolamos nove salsichas nas folhas de couve e prendemos as mesmas com um palito. Reservamos.
No copo do robot, colocamos a cebola, a cenoura e os alhos. Trituramos 10 segundos na velocidade 5. Juntamos o azeite e refogamos por 5 minutos na temperatura máxima. Adicionamos o tomate e trituramos por 30 segundos na velocidade 6. Juntamos a salsicha que sobrou sem pele e aos pedaços, a folha de louro, temperamos com sal e pimenta. Vertemos a água. Perfumamos com um pouco de salsa picada. Dispomos as salsichas no recipiente de cozer a vapor e montamos sobre o copo do robot. Ligamos na temperatura máxima, velocidade 2 por 40 minutos
Findo o tempo, retiramos as salsichas do recipiente de vapor e dispomos num prato. Retiramos também a folha de louro do copo, colocamos a tampa e trituramos o molho por 15 segundos na velocidade 7. Se acharmos necessário, adicionamos um pouco mais de água ao molho. Regamos as salsichas com o molho e perfumamos com mais um pouco de salsa picada. Servimos quente com arroz ou a gosto.
Tradicional
Num tacho largo, levamos água a ferver. Separamos a couve lombarda em folhas. Lavamos e aparamos um pouco do talo de cada folha. Escaldamos as folhas na água fervente por 5 minutos. Retiramos com cuidado. Enrolamos nove salsichas nas folhas de couve e prendemos as mesmas com um palito. Reservamos.
Picamos a cebola, os alhos e ralamos a cenoura. Refogamos os mesmos num tacho largo com azeite. Colocamos depois o tomate pelado triturado e deixamos cozinhar mais um pouco.
Juntamos a salsicha que sobrou sem pele e aos pedaços, a folha de louro, temperamos com sal e pimenta. Vertemos a água. Perfumamos com um pouco de salsa picada. Mexemos. Dispomos as salsichas no tacho, deixamos cozinhar lentamente até o molho apurar e as salsichas com as couves estarem tenras. 
Findo o tempo, retiramos as salsichas do tacho e dispomos num prato. descartamos a folha de louro e trituramos o molhoSe acharmos necessário, adicionamos um pouco mais de água ao molho. Regamos as salsichas com o molho e perfumamos com mais um pouco de salsa picada. Servimos quente com arroz ou a gosto.