quarta-feira, 12 de julho de 2017

Experimentei os Brownies Fit do Sorted Food! (vídeo)

Olá pessoas do bem! Hoje o post é ligeiramente diferente. É o resultado, em primeira mão, de um brownie esquisito mas FIT (atenção) que vi no super canal do SORTEDfood! Se não conhecem, é um canal de youtube internacional de uns rapazitos cheios de pinta com receitas interessantes. 

Quando vi este brownie cheio de bom aspecto resolvi experimentar. Eles prometem ser uma receita do bem! E é tão do bem que os não amantes de cacau não vão conseguir comer. Tem um sabor mesmo forte a chocolate negro e claro que é isento de doce. 

Mas pronto, detalhes desses à parte, temos que salientar, é FIT! 👊Tem toda uma gordura saudável e o chocolate negro diz que faz bem ao cérebro. Convencida com estas razões lá fui eu fazer o brownie que gravei em vídeo. 

O resultado podem ver se continuarem a ler. Ora então o que dizer destes brownies... Primeiramente, quem mete feijão preto em brownies?? 😱 Quem?? Mas a verdade é que resulta, nota-se que ajuda imenso na textura. E não, não sabem a feijão! Obviamente que não são daqueles bolos que não se conseguem parar de comer. Que quase que comemos os dedos quando eles acabam. MAS!!!!!!! Malta, são FIT. Se não sabem o que isto quer dizer, estão como eu...! Ah, estou a brincar. 

Se estão desesperados por um doce e não o podem comer porque estão a tentar queimar aquelas gorduras que acumularam no Inverno ou porque adoptaram um estilo de vida mais saudável. Eu sei que isso acontece a todos. Não se façam de fortes. Façam este brownie. A textura é muito rica. É bastante fácil de fazer. Comam a pensar...vou comer isto e não vou inchar como um balão de uma festa de crianças. Vão adorar!

Vamos ao brownie?? Usei um robot de cozinha mas qualquer processador de alimentos serve. Um beijinho. Bons cozinhados! 😚

P.S. Se fizerem e gostarem, lembrem-se que fui eu que partilhei a receita...se não gostarem vão tirar perguntas aos moços do SORTEDfood e ao seu 1 milhão de seguidores. 😅
Brownie Fit do SORTEDfood

O que faz falta:

400 gr. de Feijão Preto cozido e escorrido
1 Abacate aos pedaços
100 gr. de Chocolate Negro 74% de Cacau em pedaços + 25 gr. para polvilhar
50 gr. de Flocos de Aveia integrais
75 gr. de Tâmaras sem caroço
2 colh. sopa de Cacau puro em Pó
2 colh. sopa de Mel
1 colh. chá de Fermento em Pó
1 colh. chá de Essência de Baunilha

Como fazemos:
Pré-aquecemos o forno a 180ºC. Forramos uma forma com papel vegetal, untamos com óleo de coco e polvilhamos com cacau em pó.
Processamos todos os ingredientes até obtermos uma massa uniforme e cremosa. Transferimos a massa para a forma. Alisamos a superfície. Polvilhamos com o restante chocolate em pedaços. Levamos ao forno por 20 minutos.
Retiramos do forno e deixamos repousar 3 horas no frigorífico. Partimos e reservamos no fresco. Podemos acompanhar com um pouco de iogurte natural.


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Bolo de Arroz Caseiro

O bolo de arroz é um dos bolinhos preferidos do Sarinho. Durante algum tempo isso fazia-me imensa confusão. Sempre que íamos a algum lado lanchar era o bolo de arroz que ele escolhia. Com outros bolos cheios de chocolate e creme era sempre aquele. 😱

Um dia, com o intuito de agradar, experimentei fazer este bolinho em casa. A partir daí, percebi o porquê dele gostar tanto deste bolo. A massa fofa e amanteigada com aquela crosta é, digamos, irresistível. Acho que eu nunca tinha tido sorte com os bolos de arroz que tinha comido até então. 

Desde aí este é um dos bolinhos que desaparecem mais rápido aqui em casa. É excelente para o lanche, fácil de fazer e tem mesmo aquela aparência caseira. Bem sei, que é Verão e andamos todos mais focados em coisas frescas mas este bolo caí bem em qualquer altura! 😄
Um beijinho. Até breve e bons cozinhados. 😚
Bolo de Arroz Caseiro

O que faz falta:
4 Ovos
100 gr. de Manteiga à temperatura ambiente
100 ml de Leite
200 gramas de Açúcar
1 colher de sopa de Amido de Milho
100 gr. de Farinha de Arroz
100 gr. de Farinha de Trigo com Fermento
1 colher de chá de Fermento em Pó
3 colheres de sopa de Açúcar para polvilhar
Como Fazemos:
Untamos e enfarinhamos uma forma. Podemos usar uma forma rectangular ou uma forma de buraco. Pré-aquecemos o forno a 180ºC. 

Separamos as gemas das claras. Batemos as claras em castelo firme. Reservamos.
Num recipiente à parte, batemos as gemas com o açúcar e com a manteiga até obtermos um creme fofo. 

Adicionamos o leite, o amido, a farinha de arroz, a farinha de trigo e o fermento. Batemos mais um pouco. Envolvemos as claras em castelo na massa.

Vertemos a massa na forma e levamos ao forno por 30 a 40 minutos ou até o palito sair seco. Quando o bolo estiver pronto, deixamos arrefecer uns minutos. Depois, passamos uma faca à volta da forma. Desenformamos o bolo sobre um prato e de seguida viramos para outro para ficarmos com a crosta de açúcar virada para cima.

Servimos morno ou frio.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Coxinhas de Frango...tradicional e robot de cozinha!

Coxinhas de Frango ou de Galinha eis a questão? O nome não importa. O que importa dizer é que são uns salgadinhos maravilhosos e comer só um é uma tarefa dificil. 😋

Eu tenho uma forte paixão por pequenos salgadinhos de formas e sabores diferentes. A verdade é que nesta busca culinária ainda não consegui decidir se sou mais doce ou salgada. Um pouco das duas, talvez. 

Como já aqui tenho mencionado, sou uma pessoa bastante curiosa, gosto muito de aprender e conhecer novas formas de fazer coisas. Também não sei se já disse que por vezes tenho dificuldades em dormir. E o que tem uma coisa a ver com a outra? São nesses momentos acordados que tenho bastantes ideias e me comprometo comigo própria a fazer isto ou aquilo. Certas ideias desvanecem com a noite de sono outras acordam com mais força.

Confesso que me surgiu a ideia de fazer coxinhas quando nesse dia ao lanche comi uma que me desiludiu. Então nesse mesmo dia à noite, sem sono, comecei a pesquisar e esta receita que eu pensava ser muito complexa revelou-se fácil. Os passos para a fazer são alguns mas rendem imenso. 

Em baixo, partilho a minha experiência que foi muito positiva. Estas coxinhas ficaram com um recheio húmido, a massa estaladiça e com um toque cremoso. Será que foi sorte de principiante?
Espero que gostem e que fiquem para comermos uma coxinha juntos. Ou duas! 😅😚
 Coxinhas de Frango

O que faz falta para aprox. 22:
Caldo
1 Peito de Frango médio
1 Cebola pequena
1 Cenoura pequena
2 Alhos
2 Folhas de Louro
1 colher de café de Noz-Moscada
1 colher de chá de Sal
Pimenta Preta q.b.
1 Raminho de Salsa
1 Litro de Água
Massa
2 chávenas de chá de Caldo de Carne
2 colheres de sopa de Manteiga
2 chávenas de chá de Farinha sem fermento
1 colher de café de Pimenta Branca
1 colher de café de Sal
Recheio
1 Peito de Frango Médio cozido
1 Fio de Azeite
1 Cebola picada
3 Alhos picados
8 colheres de sopa de Molho de Tomate
Pimenta Preta q.b.
1 Ramo de Salsa fresca picada
Montagem
2 Ovos Batidos
Farinha q.b.
Pão Ralado q.b.
Como Fazemos:
Começamos por fazer o caldo. Colocamos todos os ingredientes listados para o mesmo num tacho e cozinhamos por 25 minutos depois de levantar fervura. Coamos o caldo e reservamos para a massa. Retiramos o frango e descartamos o restante. Desfiamos o frango à mão ou na yämmi por 10 segundos na velocidade 4 com a lâmina de mistura.

De seguida, fazemos a massa. Fervemos o caldo devidamente coado com a manteiga, o sal e a pimenta. Na yämmi demora 5 minutos na velocidade 1 a 100ºC.
Depois adicionamos a farinha, mexemos com uma colher de pau até obtermos uma bola de massa grossa que despegue do fundo e maleável. Este processo fica facilitado se usarmos a yämmi por 30 segundos na velocidade 4. Deixamos a massa arrefecer. 

Para o recheio. Refogamos a cebola com o fio de azeite e os alhos. Quando a cebola amolecer juntamos o frango desfiado, a salsa e o molho de tomate. Mexemos e deixamos cozinhar uns minutos. Temperamos com a pimenta preta. Deixamos amornar.

Para montar as coxinhas abrimos uma rodela de massa na palma da mão e fazemos uma covinha. Colocamos o recheio na cavidade. Fechamos a rodela ao meio e depois unimos as duas pontas de forma a modelarmos uma coxinha. Para retirar o excesso de massa, puxamos a ponta da coxinha e voltamos a moldar.
Passamos as coxinhas pela farinha, depois pelo ovo e finalmente pelo pão ralado. Fritamos as coxinhas em óleo quente mas não demasiado. Assim que estiverem douradas, retiramos e escorremos em papel absorvente. Se as quisermos congelar basta alinhar as coxinhas lado a lado com um espaço entre si num prato ou recipiente raso e levar ao congelador de um dia para o outro. No dia seguinte, basta acondicioná-las num saquinho.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Queques de Banana e Chocolate

Com o calor que se fez sentir há dias o forno permaneceu desligado para não aquecer ainda mais a casa. Mas o vício esse continuou cá. Semana em que não faço bolinhos para mim é uma semana desequilibrada. Faz parte da minha rotina semanal de manter a mente sã. Há pessoas que correm, que vão ver o mar ou vão jantar fora. Eu faço bolos! Se bem que as duas últimas opções também as aceito de bom agrado. A primeira já sabem...eu e os desportos temos aquela relação dificil. 😱

Por aqui, somos adeptos das marmitas. Marmitas para o almoço, marmitas para o lanche, marmitas para a praia, enfim marmitas para tudo! E há lá coisa melhor que levar um bolinho na marmita? Para naquele momento de moleza diária nos dar uma energia extra. 

Hoje a receita é do mais simples que há. É daquelas que todos nós gostamos. Misturar tudo e já está. E a minha receita rendeu imenso porque eu usei formas de pastel de nata para a fazer. 

Um destes dias a passear aqui pelo blog apercebi-me que não tinha referenciada a receita do clássico bolo de iogurte que toda a gente gosta. Então estes queques são isso mesmo. A receita do meu bolo de iogurte em formato pequenino e com um extra de cobertura de chocolate. Porque vamos ser sinceros...banana e chocolate é aquela combinação vencedora. 
Todos vocês devem ter uma receita de bolo de iogurte de família que herdaram da avó, da mãe, da tia ou até da vizinha mas se não têm sigam esta que é muito boa.

Vamos lanchar? Um beijinho. Até breve. Bons cozinhados!!!!! 😚
Queques de Banana e Chocolate

O que faz falta para 24 queques:
BOLO
4 Ovos
1 Iogurte de Aroma a Banana
3 copos de iogurte mal cheios de Açúcar
1 copo de iogurte de Óleo
3 copos de iogurte de Farinha
2 colheres de chá de Fermento em Pó
COBERTURA
3 colheres de sopa de Manteiga
3 colheres de sopa de Leite
1/2 chávena de chá de Açúcar
1/2 chávena de chá de Cacau em Pó
MONTAGEM
Formas para Queques
Forminhas de Papel Frisado
Como Fazemos:
Começamos por colocar as forminhas de papel frisado nas formas de queques. De seguida, pré-aquecemos o forno a 180ºC. 

Batemos os ovos com o açúcar e com o iogurte. Adicionamos o óleo e a farinha com o fermento. Voltamos a bater até a massa formar bolhinhas à superfície. Transferimos a massa para as formas deixando uma pequena margem a contar com o crescimento dos queques no forno. Levamos os mesmos ao forno por 15 minutos. 

Entretanto fazemos a cobertura. Misturamos todos os ingredientes num tachinho, levamos a lume brando até estar bem misturado e ter engrossado um pouco. Reservamos.

Quando os queques estiverem prontos, retiramos, desenformamos e picamos cada um deles na superfície. Mergulhamos a parte superior do queque na cobertura de chocolate, rodamos para cobrir toda a área. Repetimos o processo com todos os queques. Decoramos a gosto. 


sexta-feira, 16 de junho de 2017

Bacalhau à Brás...nunca sai de moda!

Bacalhau à Brás é aquela receita que nunca sai de moda. E aqui em casa é uma estrela. É dos pratos preferidos do Sarinho. 😍 Não conheço ninguém que não goste mas certamente que há. Mesmo não percebendo como é possível alguém não gostar de um cremoso bacalhau com batatas fritas e ovo. É uma receita que só tem ingredientes vencedores. 

Porque escrevo eu pela terceira vez esta receita aqui no blog? 😲 Não sei bem! Acho que os post's anteriores não me enchiam as medidas. A pessoa vai amadurecendo, acrescentando uma coisa aqui e tirando outra acolá. Além disso tenho tentado actualizar o blog com upgrades das receitas bem antigas aqui.

Não posso terminar esta introdução sem dizer o quanto esta receita é traiçoeira. Não me interpretem mal, esta é uma receita trabalhosa mas relativamente fácil. O problema é que encolhe imenso. Quando metemos as batatas no tacho parece que vamos ter bacalhau para a semana toda e assim que colocamos os ovos ficamos na dúvida se vai chegar para o jantar. 😆 Por via das dúvidas façam um bocadinho a mais. 
E agora que terminei em reclamação, despeço-me com um beijinho de bom fim-de-semana! 😚
Bacalhau à Brás

O que faz falta para 3 ou 4:
800 gr. de Bacalhau demolhado
1 fio generoso de Azeite
1 Cebola grande às rodelas finas
2 Dentes de Alho picados
1 Folha de Louro
5 Batatas grandes
Óleo para fritar
6 Ovos batidos
1 Ramo de Salsa picada 
Sal e Pimenta q.b.
Azeitonas pretas para decorar

Como fazemos:
Começamos por limpar o bacalhau de pele e espinhas. Desfiamos e reservamos. De seguida, descascamos as batatas e cortamos as mesmas em palitos finos tipo batata palha. Fritamos as batatas e escorremos em papel absorvente. Reservamos.
Num tacho largo, refogamos a cebola em azeite com os alhos e a folha de louro. Quando a cebola tiver amolecido, juntamos o bacalhau e deixamos cozinhar um pouco. Mexemos para não pegar. 
Adicionamos as batatas palha fritas e envolvemos bem. Cozinhamos por uns minutos, mexendo de vez em quando. Temperamos com um pouco de sal e pimenta. Envolvemos os ovos batidos e metade da salsa picada. Mexemos até que os ovos cozinhem. O ponto certo é quando os ovos estão cozinhados mas ainda cremosos. Apagamos o lume e continuamos a mexer. 
Servimos perfumado com a restante salsa e decoramos com as azeitonas. Acompanhamos com uma salada.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Clafoutis de Cereja

A sua origem é na França, a sua textura e seu casamento com as cerejas fazem dele uma estrela. É um belo Clafoutis de Cerejas. Que nome pimpão, não é verdade? Até parece ser uma sobremesa dificil quando na verdade é facílima. A parte mais demorada é a de tirar os caroços das cerejas mas entre tirar o caroço de uma e petiscar outra o tempo passa sem darmos por isso.

O Clafoutis pode ser feito com morangos, com ameixas, com pessêgos e por aí em diante. Por aqui adoramos cerejas e eu nunca consigo fazer receitas com elas porque desaparecem a voar. Estas vieram do mercado de Azeitão. Na vossa zona também existem mercados mensais? 
O mercado de Azeitão é uma autêntica relíquia. Por aquelas ruas alinham-se bancadas com diversos queijos, enchidos, frutas, legumes, vinhos, azeites, mel...enfim, um sem fim de coisas maravilhosas. É preciso ter alguma contenção para não trazer tudo. As coisas têm outro cheiro e as pessoas gostam de conversar. É um sítio despretensioso onde as pessoas acreditam na qualidade do que vendem e defendem o seu produto. Penso eu, ser uma vida dura. É de valor. 

Voltando as atenções de novo para o Clafoutis, este doce é equilibrado. Não é demasiado doce. E o contraste entre a massa meio cremosa com a ligeira acidez das cerejas, a meu ver, é perfeito. Acho que é uma daquelas sobremesas que finaliza muito bem uma refeição mais pesada. 

Vamos lá comer aquela fatia? Um beijinho. Comam bem! Até breve! 😚
Clafoutis de Cereja

O que faz falta:
Cup=240 ml de capacidade

500 gramas de Cerejas
4 Ovos
1 Cup de Leite (usei de amêndoa)
2 colheres (sopa) de Manteiga derretida 
1/2 Cup de Açúcar + 1 colher de sopa (para os mais gulosos aumentar um pouco o 1/2 cup)
3/4 de Cup de Farinha com fermento
1/2 colher de café de Sal fino
1 colher de café de Essência de Baunilha
Açúcar em Pó para polvilhar
Como Fazemos:
Começamos por lavar as cerejas e limpar o excesso de água. De seguida descaroçamos as mesmas. Se não tivermos o utensílio próprio para o fazer retiramos com a ajuda de uma faca. Reservamos as cerejas. 
Pré-aquecemos o forno a 180ºC, untamos uma tarteira ou assadeira com manteiga e enfarinhamos. Colocamos as cerejas no fundo. Podemos parti-las a meio ou colocá-las inteiras. 

Num recipiente e com a ajuda de uma vara de arames, misturamos o açúcar, os ovos e o sal. Adicionamos a farinha e o leite aos poucos. Misturamos bem. Juntamos a baunilha e a manteiga derretida. Envolvemos tudo. Podemos misturar tudo num robot por 20 a 30 segundos em velocidade média.
Regamos as cerejas que dispusemos no fundo da tarteira com a massa anterior. Polvilhamos a superfície com a colher de sopa de açúcar.

Levamos ao forno durante 40 a 45 minutos até o Clafoutis estar firme no meio e ligeiramente dourado na superfície. É normal que ele cresça muito mas depois de amornado baixa. Servimos morno ou frio.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Bolo de Cenoura com Chocolate...por uma vida mais doce e histórias da infância!

A nossa vida é feita de momentos. Aqueles que nos marcam para a vida toda e que nos despertam sempre aquele sorriso. Estas são as memórias boas que devemos reter.

Cresci numa pequena aldeia perto da minha vila. A minha avó morava lá e como ela ficava comigo durante o dia, enquanto os meus pais trabalhavam, fiz lá a escola primária. Numa escola, no meio do campo, onde conseguíamos distinguir bem as estações do ano. Onde víamos as azedas a colorir os terrenos, as papoilas crescer, as folhas a cair das árvores e o calor a vir do chão. Olhando para trás foram tempos incríveis. 😊

Quando acabei a escola primária a minha vida mudou um pouco. Fui estudar para uma das escolas da minha vila onde a realidade era um pouco diferente. Passei de um sítio onde toda a gente me conhecia e eu conhecia toda a gente para um sítio com muito mais pessoas do que estava habituada e onde não conhecia ninguém. Os meus colegas de primária seguiram para uma escola e eu segui para outra. Lembro-me de me sentir assustada. Foi uma mudança enorme. Mas felizmente, desenrasquei-me e nunca tive nenhum problema de maior. Muito graças às pessoas com quem me cruzei. Tive alguns colegas incríveis que são meus amigos até hoje.

Nos primeiros dias de aulas sentava-me sozinha, até que reparei na cara de uma menina e resolvi meter-me com ela.😅Sempre fui muito tímida mas naquela altura lá arranjei coragem para olhar para trás, para aquela menina de cara simpática  e sorri. A partir desse momento nunca mais nos largámos. Desde o meu quinto ano até agora. Claro, que ela me sorriu de volta. Fizemos asneiras, rimos e choramos. Sem ela nada teria sido igual.

Passados quase 20 anos de amizade, continuamos juntas. Eu em Portugal e ela no Brasil. A vida é mesmo assim, uma luta constante pelos nossos sonhos. Todos os anos a Ana vem a Portugal mas da última vez foi diferente. Ela nunca me disse quando vinha. Até que um dia tínhamos combinado falar por skype às 15h exactamente. A essa hora tocam-me à campainha e quando espreitei à porta pelo "buraquinho" eu só via um livro. Com mais atenção consegui ver que era o livro da Danielle Noce que só se vende no Brasil. Abri a porta ainda sem perceber o que estava a sentir e lá estava ela. A minha amiga de 20 anos com este livro na mão pronta para me abraçar. Fiquei tão feliz. Por tudo. Por a poder abraçar e por ela criar este momento épico ao detalhe que nos vamos lembrar sempre. 💓

A receita de hoje vem deste livro lindo e é um bolo de cenoura com chocolate daqueles que não dá para parar de comer. Eu sei, que por mais vezes que faça este bolo ao comê-lo vou sempre lembrar-me da Ana e de toda a nossa história. Obrigada Ana!
Este bolo é maravilhoso, arrisco a dizer que o melhor bolo de cenoura que comi. O bolo é fofo e a cobertura cremosa. Uma delícia! 😋

Vamos comer uma fatia em honra do dia da criança. Depois de lerem a minha história acho que merecem! Um beijinho. Até breve e bons cozinhados! 😚
Bolo de Cenoura e Chocolate 
Adaptado de: Por uma Vida Mais Doce - Danielle Noce

O que faz falta:
BOLO
270 gr. de Cenouras limpas e aos pedaços
200 ml de Óleo de Girassol
3 Ovos
350 gr. de Açúcar
240 gr. de Farinha de Trigo
2 colheres (chá) de Fermento em Pó
COBERTURA
170 gr. de Chocolate para culinária
1 colher (sopa) de Mel
100 gr. de Manteiga

Como Fazemos:
Untamos e enfarinhamos uma forma de bolo. Pré-aquecemos o forno a 180ºC. Num liquidificador ou robot batemos as cenouras, o óleo, os ovos e o açúcar até obtermos um creme. Juntamos a farinha e o fermento. Batemos mais um pouco até estar bem misturado. Se o robot não tiver capacidade suficiente basta colocar o creme de cenoura num recipiente, juntar a farinha com o fermento e bater. Transferimos a massa para a forma e levamos a cozer por 40 a 50 minutou ou até o palito sair seco.
Quando o bolo estiver a cozer, fazemos a cobertura. Levamos a manteiga e o mel ao lume até derreter. Adicionamos o chocolate picado, mexemos até derreter o chocolate completamente e o creme estar liso. Reservamos.
Quando o bolo estiver cozido, passamos a faca à volta dos rebordos da forma e desenformamos o mesmo. Cobrimos com a cobertura. Servimos morno ou frio. 


terça-feira, 30 de maio de 2017

Massa de 100% Pizza Integral!!!!

Não escondo que sou fã de um belo fast food. Claro que não é coisa que coma com frequência mas de vez em quando sabe muito bem. A minha predilecção recai nas pizzas. Que nem sei bem se podemos considerar fast food. Adoro uma boa pizza! 😍 Seja de massa fina ou de massa grossa. A uma certa altura a massa fina era a minha preferida mas de momento só peço que seja bem feita e com o rebordo crocante.

O Sarinho não é apreciador de pizzas porque não come queijo e vamos ser sinceros...qual é a piada de uma pizza sem queijo? Mesmo assim faço algumas vezes em casa só para mim. Dá para perceber o quanto eu gosto? 😀

Já fiz vários tipos de receitas de massa de pizza mas de momento procurava uma massa 100% integral, logo mais saudável e que me pudesse satisfazer o "vício". Depois de alguns testes cheguei a esta massa que é simples de fazer e que tem ingredientes um pouco mais sadios. 
Acabada de fazer fica com uma crosta nas bordinhas e a massa fica leve. Vale a pena experimentar, acreditem! A cobertura fica na imaginação de cada um. 
Vamos comer uma fatia? Um beijinho. Até breve e bons cozinhados!!! 😚
Massa de Pizza 100% Intregral

O que faz falta para 1:
195 gr. de Farinha Integral
7 gr. de Fermento Biológico Seco
1 colher (chá) de Sal
1 colher (chá) rasa de Açúcar Mascavado
80 ml de Água morna
1 Clara de Ovo M
15 ml de Óleo de Girassol
Como Fazemos:

Robot de Cozinha (Yämmi I)
No copo do robot colocamos a farinha integral, o fermento biológico seco, o sal e o açúcar mascavado. Ligamos por 15 segundos a velocidade 4
Adicionamos a água morna, a clara de ovo e o óleo de girassol. Amassamos na velocidade 4 por 2 minutos e meio.
Retiramos a massa do copo do robot, formamos uma bola e transferimos para um recipiente untado com azeite. Tapamos e deixamos levedar no mínimo 2 horas ou de um dia para o outro num sítio abrigado.
Esticamos a massa numa superfície enfarinhada e colocamos a mesma sobre uma forma refractária também enfarinhada. Cobrimos a gosto. Neste caso usei molho de tomate, oregãos e mozzarella fresca. Levamos ao forno pré-aquecido a 200ºC durante 20 a 30 minutos ou até dourar.

Tradicional
Começamos por misturar os ingredientes secos (a farinha, o fermento, o sal e o açúcar mascavado. Adicionamos a água morna, a clara de ovo e o óleo de girassol. Com a batedeira e as varas de gancho batemos por 10 minutos ou até formar uma bola de massa homogénea. 
Formamos uma bola e transferimos para um recipiente untado com azeite. Tapamos e deixamos levedar no mínimo 2 horas ou de um dia para o outro num sítio abrigado.
Esticamos a massa numa superfície enfarinhada e colocamos a mesma sobre uma forma refractária também enfarinhada. Cobrimos a gosto. Neste caso usei molho de tomate, oregãos e mozzarella fresca. Levamos ao forno pré-aquecido a 200ºC durante 20 a 30 minutos ou até dourar.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Bolo de Aniversário...aquela receita base que não falha!

Os aniversários por aqui sempre foram muito simples. Não somos de grandes festas mas gostamos de frequentá-las. 😭 No nosso caso gostamos de algo mais "low profile". O dia de aniversário é sem dúvida um dia especial mas devemos cultivar a união todos os dias do ano. O que por vezes se torna complicado...mas isso já são outras conversas.

No dia sete deste mês, fez anos o Sarinho. Já celebramos treze aniversários juntos. Com altos e baixos como seres humanos normais. Crescemos juntos, aprendemos imenso juntos e mudamos juntos. Se foi fácil? Não! Mas pensando nisso mais profundamente, valeu a pena.

Claro, que mesmo sem fazermos aquele festão há sempre bolo. E este bolo, meus amigos, é daqueles que não falha. Esta é uma massa muito versátil. Fica bem com todos os recheios. É fofa e húmida na medida certa. Depois de fria torna-se fácil de trabalhar pois não é demasiado delicada. Esta receita é ideal para uma forma de 20 cm por isso para um bolo maior o melhor é duplicar a receita.
Desta vez usamos um maravilhoso recheio de doce de ovos e amêndoas. Fazendo a receita de doce de ovos que já aqui publiquei. Nós, belos gulosos que somos, adoramos este bolo. 

Espero que gostem desta receita. Um beijinho. Bons cozinhados! 😚
Bolo de Aniversário

O que faz falta:
(chávena=240 ml de capacidade)

6 Ovos
2 chávenas (chá) de Açúcar
2 chávenas (chá) de Farinha de Trigo
3/4 chávena (chá) de Óleo
1 chávena (chá) de Água a Ferver
1 colher (chá) de Fermento em Pó
1 pitada de Sal

Doce de Ovos
Amêndoas Picadas
Como Fazemos:
Começamos por pré-aquecer o forno a 180ºC. Cortamos dois círculos de papel vegetal do tamanho do fundo de uma forma com 20 cm. 
Separamos as claras das gemas. Batemos as claras em castelo firme. Reservamos. De seguida, batemos as gemas com o açúcar até obtermos um creme fofo. Misturamos o óleo, a farinha e o fermento. É normal a massa estar um pouco mais densa nesta altura. Adicionamos a água a ferver e batemos bem. Envolvemos as claras em castelo. 

Dividimos a massa em duas partes. Untamos a forma, colocamos um dos círculos de papel no fundo, voltamos a untar e enfarinhamos. Vertemos metade da massa e assamos 20 a 30 minutos ou até o palito sair seco. Se tivermos duas formas podemos dividir a massa pelas duas formas forradas, untadas e enfarinhadas e cozer de uma vez. O processo vai ficar simplificado. Se não assamos metade de cada vez. Assamos uma parte, desenformamos e limpamos a forma. Repetimos o processo de untar, forrar com o papel vegetal e enfarinhar. E assamos a outra parte. 

Quando ambas as metades de bolo estiverem assadas, deixamos arrefecer totalmente, recheamos e decoramos a gosto. Se o recheio pedir conservarmos no frigorífico. 

terça-feira, 23 de maio de 2017

Petisco de Moelas...amor-ódio, Portugal e os Portugueses!

Portugal, que sítio fantástico para se viver. Toda a riqueza, desde a gastronomia aos sítios a descobrir. Temos praia, temos campo. Temos bons pratos e conventuais sobremesas. Que orgulho poder dizer que sou Portuguesa.💕 Mesmo quando somos pequeninos, de espírito e de mente.

Vencemos o Europeu, o Salvador e a Luísa ganharam a Eurovisão. São detalhes que a meu ver nos levam no caminho do respeito. Portugal é desvalorizado. Por nós próprios que aqui vivemos também. Somos seres insatisfeitos por natureza e isso é óptimo quando nos dá força para fazer mais e melhor.

No meu ponto de vista, a vitória do Salvador representa muita coisa. É uma boa música com uma bonita letra. Mas é também a prova que "fazer a diferença faz diferença". Que sermos nós próprios numa sociedade tão acusadora tem valor. Tenho a certeza que cada um de vocês já sentiu pressões por parte da sociedade. E espero que interpretem o que quero dizer da melhor forma. Vamos ser mais racionais, apoiar e valorizar o que é nosso porque temos provas dadas do povo forte que somos. 😊

Mudando de assunto porque sei que nos últimos dias não se fala de outra coisa. Vamos a um petisco? Aqui em casa adoramos este petisco de moelas! Sei que muita gente não aprecia, é daqueles casos de amor-ódio. Mas como se pode resistir a uma coisa destas? São tenrinhas, o molho puxa o pãozinho e com uma bebida fresquinha ainda melhor. Acreditem em mim! É coisa que não falha. Por aí amam ou odeiam?

Um beijinho. Até breve. Comam bem! 😚
Petisco de Moelas

O que faz falta para 3:
1 kg de Moelas
1 fio de Azeite
1 colher (chá) de Manteiga
1 Cebola picada
3 dentes de Alho picados
1 folha de Louro
8 rodelas finas de Chouriço de Carne
6 colheres (sopa) de Polpa de Tomate
50 ml de Vinho Branco
250 ml de Água
1 pitada de Sal
Piri-piri qb.
1 ramo de Coentros frescos picados
Como Fazemos:
Começamos por arranjar as moelas. Lavamos e limpamos as moelas de gorduras. Cortamos as moelas maiores ao meio. Reservamos. 
Numa panela, colocamos a manteiga e o azeite. Deixamos aquecer um pouco até a manteiga derreter. Juntamos a cebola picada, os alhos e o louro. Refogamos. Quando a cebola amolecer adicionamos o chouriço e deixamos fritar ligeiramente. Por cima, colocamos as moelas arranjadas, temperamos com um pouco de sal e deixamos cozinhar por 5 minutos. Juntamos a polpa de tomate e o piri-piri. Mexemos bem. Regamos com o vinho branco e a água. Em lume brando cozinhamos durante 1 hora ou até a moelas estarem tenrinhas e o molho tiver engrossado. Mexemos de vez em quando e se necessário adicionamos mais um pouco de água. 
Desligamos o lume e perfumamos com os coentros picados. Servimos quente acompanhado com pão e batatas fritas.