terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Na minha mesa de Natal não podem faltar...Coscorões da Avó!

Chegou a  minha vez de participar no desafio "Na minha mesa de Natal não pode faltar", proposto pela Ana da Casinha das Bolachas. A minha partilha chega bem perto do Natal e espero que isso vos inspire. É uma receita muito especial para mim. Juntamente com a receita vou responder a umas perguntinhas que a Ana me enviou. Espero que sirva para me conhecerem melhor. Respondi com toda a sinceridade. Um beijinho e obrigado por estarem aí. Até breve!


Quem está por trás do blog?

Eu, sou a Sara, tenho 29 anos, cresci na Moita e vivo na Moita. É o sítio onde me sinto em paz. Estou ligada à área criativa mais precisamente à imagem e comunicação. 
Sou uma pessoa extremamente bem-disposta. Gosto de ver o melhor nas pessoas. E tento ser uma pessoa muito positiva. 
Sempre fui uma pessoa que amei muito. Não sei amar pouco. Gosto de pôr tudo o que tenho na mesa. É verdade que isso me trás alguns dissabores mas a vida é feita desses momentos altos e baixos. É isso que me desafia a melhorar todos os dias um bocadinho.
Sou uma pessoa simples. Gosto de fotografia, animais, literatura, cinema, novos lugares, conviver e de comer. Isso é o meu pecado capital. Sou feliz a conviver à mesa. Uma característica muito própria minha é que estou sempre a rir.  

Como surgiu o gosto pela culinária?

Para ser sincera eu nem me lembro bem. Mas acho que foi tudo influência da minha mãe e da minha avó, A minha mãe é uma excelente cozinheira. Transforma tudo em que toca. A minha avó sempre me fez as vontades todas em relação à comida. Qual avó não é assim?
Lembro-me de um episódio engraçado em que uma vez quando estava sozinha em casa, tinha talvez os meus 12 anos, fiz um bolo com apenas um ovo que ficou parecia uma bolacha e depois com vergonha do resultado fui escondê-lo. 
Acho que a resposta mais honesta neste caso é que desde sempre eu gostei de cozinhar. Sempre que haviam festas eu queria participar e ir para a cozinha.


Quando e como surgiu o blog?

O blog surgiu em 2010 numa altura em que tinha terminado a escola. Eu participava há algum tempo da comunidade Sabor Intenso e queria expandir-me. Então resolvi criar um blog. Acho que foi uma coisa um pouco inconsciente. Na altura este mundo era diferente e o meu blog era muito simples. Hoje em dia sou muito feliz por ter dado aquele clique inicial para o criar. 
A verdade é que mudei bastante e acho que isso se nota. Cresci muito aqui. Claro que tive momentos em que pensei em desistir mas depressa passou. Em 2011 mudei-me para a minha própria casa e comecei a descobrir imensas coisas. O que me apaixona aqui é que posso escrever e fotografar que são duas paixões que me acompanham há algum tempo.

Gostas desta época do ano? Se sim, do que mais gostas?

Eu gosto do Natal. Apesar de me fazer lembrar de algumas pessoas que perdi. Eu acho uma época muito bonita. As pessoas unem-se mais. Há uma magia em torno do Natal que não sei explicar. No entanto, gosto de preparar tudo com antecedência porque não sou dada a muitas confusões. 
Numa certa altura da minha vida eu revoltava-me porque nesta época toda a gente se lembrava e durante o ano todo nem por isso. Mas crescemos e aprendemos a contornar esses detalhes imperfeitos.
O que mais gosto sem dúvida é o dia 24. Estamos no quentinho com quem mais amamos a conviver à mesa e a relembrar o nosso ano.

Existe algum ingrediente que te faça lembrar o Natal? Qual?

Por incrível que pareça há um ingrediente que me faz lembrar muito o Natal que é a aguardente. Isto porque sempre foi tradicional ser usado nas filhoses que fazemos cá em casa e só nessa altura é que se faz alguma coisa com aguardente. Mas também posso indicar os frutos secos que sempre fizeram parte da nossa mesa.

Costumas cozinhar no Natal?

Há muitos anos que eu e a minha mãe nos juntamos no dia 23 à noite para fazer todos os doces. Fazemos pela noite fora tudo o que pode ser feito com antecedência. O meu Natal já não era o mesmo sem essa noite. É um serão muito divertido de onde nascem sempre histórias e peripécias para lembrar nos anos seguintes. 

O que nunca pode faltar na tua mesa para além de muito amor?

Na minha mesa nunca pode faltar boa disposição e harmonia. Gosto de sentir que estamos todos em sintonia e descontraídos. Sem pressas nem pressões. No fundo não peço nada mais. Só que estejamos juntos. Além disso e para apimentar a coisa nunca podem faltar os coscorões, os sonhos de cenoura, os frutos secos, os pastéis de bacalhau e o belo moscatel. 

Que receita vais partilhar e porque a escolheste?

A receita que vou partilhar é a receita de coscorões. Há muitos anos atrás numa cozinha pequenina a minha Avó amassava coscorões como ninguém. Cresci a vê-la fazer valentemente esta massa. É uma memória feliz da minha infância. Quem me dera poder voltar atrás para que tudo acontecesse de novo. Estes momentos na cozinha sempre foram frequentes por aqui e são muito valorizados. E este precisamente faz-me sentir muita saudade. Saudade da minha avó e saudade de todos os momentos felizes que ela me proporcionou. Podia começar aqui a desfolhar histórias que terminariam sempre da mesma forma. Em memórias felizes. 
Esta é uma das receitas da minha vida. É a receita que honra a minha Avó. A pessoa que ela foi. Que sempre amou com intensidade e nunca escondeu quem era. Já disse que tenho muitas saudades? Devo um obrigado a esta pessoa que foi e será sempre uma das mulheres da minha vida. E que me ensinou tanto sem saber. Por isto tudo eu escolhi esta receita. Adaptada à modernidade mas sempre com a memória mais antiga. E eu espero sinceramente que gostem. É um orgulho poder partilhá-la com vocês.



Coscorões na Máquina de Fazer Pão:

O que faz falta para aproximadamente 40 filhoses (depende do tamanho):

75 gramas de Banha Amolecida
140 gramas de Azeite
80 ml de Aguardente
210 ml de Sumo de Laranja
Raspa de 2 Laranjas
940 gramas de Farinha tipo55 (farinha sem fermento)
2 Pacotes de Fermento Biológico seco

Como Fazemos:

Colocamos os ingredientes pela ordem indicada na cuba da máquina de fazer pão. Programamos o ciclo massas ou massas levedas depende da máquina. (na minha demora cerca de 1h30m a amassar e a levedar.
Quando o programa acabar colocamos a massa num recipiente e tapamos com um pano. Deixamos levedar mais 30 minutos.
Enfarinhamos um bancada, retiramos pedaços de massa e esticamos o mais finamente possível. Cortamos com a cartilha e fazemos uns golpes ao meio.
Levamos ao fritar em óleo quente não deixando corar muito pois as filhoses ainda escurecem depois.
Escorremos em papel absorvente. Polvilhamos com açúcar e canela.




10 comentários:

  1. Que honra partilhares a receita! obrigada e boas festas. beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Uma receita cheia de amor e saudades... obrigada por a partilhares connosco!
    Beijinho
    http://asreceitasdamaegalinha.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Que receita deliciosa, e cheia de amor *-*
    Quero fazer coscorões <33333

    Beijinhos
    http://www.blahoestraich.com.br

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Sara pela tua partilha, tanto da receita como de ti mesma :) Sabes que adorei.

    Beijinho Ana
    http://acasinhadasbolachas.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  5. Gostei imenso de ler Sara!
    Temos a mesma idade, e o meu gosto pela cozinha também acho que vem por parte da minha mãe e avó, óptimas cozinheiras!
    Também vou passar o 23 à noite com a minha mãe na cozinha! E não sabe tão bem? São tradições que se criam maravilhosas!
    Adorei os teus coscorões! Uma receita cheia de sentimento e amor :)
    Um beijinho querida

    ResponderExcluir
  6. Coscorões que delícia,não pode faltar numa mesa de natal.
    Beijinhos- Boas Festas
    https://asreceitasdasisi.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  7. As receitas de família têm sempre um toque especial, acho que pelo valor sentimental e pelo carinho com que normalmente são feitas.
    Não há nada que se compare a isso <3
    Gostei muito de te conhecer ainda mais um bocadinho :)
    Uma beijoca!
    www.petiscana.com

    ResponderExcluir
  8. Maravilhosos Sara. Sem dúvida que são uma tradição em muitas mesas de Natal de Portugal.
    Bom Natal!!
    Beijinho!!

    Bimby & Sabores da Vida

    ResponderExcluir
  9. Que maravilha querida Sarinha, essa receita tem sabor de infância!
    Aqui a tradição são as rabanadas, receitas de família são bem vindas e nos
    traz ótimas recordações!
    Lindas fotos e adorei saber um pouquinho mais de você!

    Feliz Natal e abençoado 2017 junto a sua família!
    Bjos no seu ♥

    ResponderExcluir
  10. As respostas estão muito interessantes, achei especial piada ao bolo com um só ovo! Gostava de o ter visto :P A minha história equivalente foi quando fiz panna cotta que não solidificou. Depois claro que uma pessoa fica sem vontade de mostrar a alguém :P
    Os teus coscorões ficaram mesmo lindos! Não pude deixar de reparar que também chamas filhoses e coscorões à mesma coisa... Tenho vindo a ver gente que considera que os dois nomes são designações para a mesma sobremesa, mas como nunca tinha feito nenhum deles só descobri este ano! :P

    ResponderExcluir